Trânsito x Escolas

O “Pitaco” de hoje tem a ver com uma situação que, acredito, se repete em inúmeras escolas espalhadas pelo nosso país. Antes de adentrar no fato específico, porém, uma pergunta:

Por que colocar os filhos na escola?

Uma questão bem simples. Mas, a resposta pode ser dada de várias e várias formas, inclusive no campo jurídico. Ora, a educação da criança é um dever da família, da sociedade e do Estado (artigo 227, da CR/88). Então, os pais não fazem mais que a obrigação.

Porém, o lado jurídico não é o ponto central deste “Pitaco”. E acredito que todos os pais, ao colocarem os filhos na escola, não pensem na sua obrigação e sim no melhor para a criança. Todos querem que os filhos tenham boas oportunidades no futuro, sejam pessoas bem sucedidas, mas acima de tudo, que sejam felizes, independentes, respeitosas e conscientes do seu papel no mundo.

Eis o motivo do “Pitaco”: Todo santo dia vejo nos arredores das escolas (na maioria das vezes, em frente à escola mesmo), pais deixando ou buscando os filhos e, para tanto, parando os veículos em frente a garagens, em locais destinados a pessoas com deficiência, em faixas de pedestres, etc, etc, etc. Ou seja, cometendo várias infrações de trânsito.

Não estou aqui para repreender nenhuma pessoa, principalmente porque não sei o motivo pelo qual fazem isso (e os motivos podem ser dos mais diversos, inclusive plausíveis). Entretanto, essa situação, na minha humilde opinião, é muito contraditória. Os filhos vão à escola para aprenderem o que é certo e errado, mas no caminho os pais cometem essas irregularidades que, apesar de não serem graves, está errado. Que belo exemplo! “Só que não”.

Infelizmente, pelo que percebo, a forma de inibir essas condutas é atingindo um dos principais órgãos do ser humano: o bolso. Porém, não é possível ter um fiscal em cada escola, ainda mais em tempos de crise financeira generalizada. O jeito, então, é contar com a consciência das pessoas, porque pequenas atitudes (acredito mesmo nisso) podem mudar o mundo.

Obs.: Aulas voltando!

Thiago Oliveira