Categoria: Pitacos

Seguuuuura…

Sexta-feira, hora do rush, o trânsito daquele jeito e eis que, de repente, algo me chamou à atenção. Bem que poderia ser apenas aquela potente motocicleta que o cidadão pilotava, mas não. O indivíduo teve a cara de pau, ou melhor (ou pior, sei lá), a irresponsabilidade de transportar em sua moto uma criança que, no máximo, deveria ter seus 04 anos de idade. Um pingo de gente!

Confesso que a cena foi marcante. Eu já vi inúmeras coisas no trânsito, mas aquilo me deixou pasmo. O menino estava quase se perdendo na garupa, com seus pezinhos sem qualquer apoio, e se agarrando àquele “cara” como se fosse um cowboy de rodeio em seu touro. Ah, detalhe, eles ainda estavam entrando em uma BR.

Idosos aos 30

Sábado, sete horas da noite, horário de rush dos supermercados. E lá estava eu, em busca daquele famoso refrigerante à base de cola. Ao chegar, percebi que minhas expectativas estavam corretas. Tudo lotado! Começava, então, o desafio para conseguir uma vaga no estacionamento.

A coisa estava difícil! De um lado para outro, não via nem um lugarzinho para colocar o carro. Cadê a rotatividade? – me perguntei. Parecia que todo mundo estava fazendo a compra do mês. De repete, uns dez metros à frente, notei que um grande carro saía de sua vaga e, sem pudor, outro já entrando. Mesmo com a distância, deu pra perceber que se tratava de um sujeito jovem, cabelos com gel e ouvindo uma “bela” canção.

GP Eleitoral

Oficialmente, aos seis de julho de 2012 foi dada a largada do GP da corrida eleitoral em todos os municípios brasucas. Inúmeros candidatos a prefeito e vice-prefeito e vereador já podem começar suas respectivas campanhas. E sabe o que isso significa?

Primeiramente, o nosso futuro está em jogo. Há muito dinheiro envolvido e muitos interesses envolvidos (nem sempre direcionado ao bem comum). Também há uma série de direitos e deveres. Sim, há normas para este início de “festa da democracia”. E quem não os observa leva multa!

Já há um tempo, não são permitidos os showmícios, aqueles espetáculos realizados para promover candidato(s). A comunidade artística e os gandaieiros de plantão não devem gostar muito da ideia, mas a regra é digna de aplausos.

Direito fundamental do cartucho

O que você faz quando precisa comprar tinta para sua impressora? A coisa mais óbvia, acredito, você compra o bendito cartucho. Mas, aí que vem o problema: original ou remanufaturado? Eis a questão.

Num belo dia, fui a uma loja perto do meu local de trabalho e o (aparente) “dono” do estabelecimento me atendeu. Pedi o cartucho colorido e o cidadão foi logo me avisando que tinha o original e o remanufaturado. O primeiro custava R$ 105,00 e o segundo, cerca de R$ 60,00. O mandachuva, querendo vender de todo jeito o cartucho paralelo, ainda me deu a notícia que ele continha mais tinta que o original. Ê proposta indecente!

BBB… PPL…

Vivemos na época dos reality shows. E neste importante país emergente, o mais famoso dele chama-se “Big Brother Brasil”. O programa é adorado por milhões, mas repudiado por muitos, que argumentam que o mesmo, basicamente, nada acrescenta à sociedade.

Ah, que critica descabida! Sem muito esforço, podemos perceber que o BBB serve, no mínimo, para uma coisa: fazer uma reflexão sobre execução penal, o sistema carcerário brasuca e, “de quebra”, o direito penal (desde já, percebam o nível da coisa). Gente, é sério!

Tudo começa por uma das principais características do programa: o tal “confinamento”. Ora, ele guarda ou não uma baita semelhança com a pena privativa de liberdade, ou mesmo com as prisões provisórias? Numa análise fria, os brothers estão “trancados”, ou não?

“ObrigadU!”

Senhoras e senhores, leitoras e leitores deste modesto blog que se adjetiva como jurídico, o ano de 2011 chega ao seu fim. No horizonte do tempo já podemos sentir os primeiros sinais do ano que se aproxima. São as energias renovadas da esperança e dos sonhos.

Estamos num momento mais que propício a uma reflexão anual, uma espécie de auditoria íntima dos feitos realizados (ou não) nos últimos 365 dias, para a elaboração das metas dos próximos 12 meses.

No mundo das ideias, tudo se pode (é mais que aquela música: “Vale, vale tudo…”)! Podemos colocar na pauta de 2012, desde as necessidades mais básicas como saúde e uma vida digna, estendendo para uma casa nova ou emprego novo, até os objetivos mais, digamos, transindividuais, como o sonho de ter políticos honestos, um país sem corrupção e um Estado que funcione (pessoal, é hora de sonhar mesmo!).

Virou feira?

Há uns dias atrás pensei, por um momento, estar em lugares diversos daquele que realmente estava. Primeiramente, imaginei-me no meio de uma feira, tal como aquelas indianas, que vemos em filmes, onde barganhas são realizadas a todo instante e onde sempre há um tentando tirar vantagem do outro. Depois, pensei estar diante de uma TV, vendo a propaganda de uma famosa rede de varejo, que por algum tempo tinha o lema “Quer pagar quanto?”, tamanha era a minha incredulidade na situação que presenciava.

Apesar de estar em um fórum e, embora muitos possam pensar pelas poucas informações que se tratava da Justiça do Trabalho (para alguns, Justiça do Trabalho não é justiça, é balcão de negócios), afirmo que me encontrava num fórum criminal.

Beleza!!!

Um ato simples e comum de usar um cosmético foi parar… adivinhem? Não, nem pensem que o lugar é um salão de beleza, por favor. Até que a situação poderia ter se originado em um lugar desses, mas, não terminou lá não.

Resposta correta: num tribunal, mais precisamente no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. O ato de tentar alisar as madeixas (bem habitual no universo feminino, por sinal), fez com que uma cidadã perdesse mais da metade dos cabelos e tivesse os fios restantes bem danificados, mesmo respeitando, segundo ela, todas as orientações contidas na bula. A mulher aplicou o promissor produto e, após 15 minutos, começou a sentir uma ardência incomum na cabeça, ao ponto de ter que procurar um médico. Uma coisa, convenhamos, no mínimo, desagradável.

50 milhões!

Hoje vi uma reportagem sobre um estudo realizado pelo banco Credit Suisse sobre a riqueza global. Os dados são interessantíssimos. Você sabia (puxa, esse “você sabia” me lembra os livros de ciência do ensino fundamental) que no Brasil há 1520 pessoas com patrimônio superior à bagatela de US$ 50 milhões? É muita grana!

Enquanto isso, milhões (de brasileiros) vivem com menos de um salário mínimo por mês (US$ 302,93, na cotação de 20/10/2011). Assim, a pessoa que escreve este mero “Pitaco” teve a ideia ridícula de fazer uma conta: a de quanto tempo um brasileiro comum deveria (repare no tempo verbal) trabalhar para acumular aquela bufunfa. A resposta… apenas 13.754 anos (prefiro não comentar).

Quem poderá nos defender?

Vocês já devem ter visto algum filme em que o “mocinho” não tem jeito e nem cara de “mocinho”. Ele é um tanto quanto rude, não liga para que os outros falam e fica sempre um pouco “de lado”. Mas, em compensação, no momento em que o “bicho está pegando”, mesmo de cara feia e resmungando, ele não nega auxílio e faz de tudo para proteger aqueles que necessitam.

Pois é, o Direito Penal é mais ou menos assim. Sofre preconceito dos demais ramos do Direito, é visto como o “patinho feio”. É bruto (pois somente ele pode aplicar as maiores punições às pessoas) e não costuma se intrometer no assunto de terceiros. Entretanto, quando os outros ramos reconhecem sua fragilidade e pedem ajuda em determinadas situações, lá vai o Direito Penal, acompanhado de seu fiel escudeiro, o Processo Penal, mostrar suas afiadas garras e sujeitar à sua vontade aqueles que teimam em prejudicar o bom desenvolvimento da sociedade.